Flashes de uma luta

gallery/expo2-150x150
gallery/20140327_palestra_correios_04_web2-500x500
gallery/dom_manuel-150x150

Pela Vida

"Oremos" é a revista da família que apresenta o Catolicismo sem temor servil ou farisaísmos...

gallery/oremoscapa2-211x300

     

Durante muitas décadas, o mundo católico deixou-se levar pelo discurso positivista de que a causa da criminalidade na sociedade é a desigualdade econômica e social. Todas as vezes que se fala em combater o crime, nos meios católicos surgem pronunciamentos sustentando que, antes de tudo, precisaríamos acabar com toda desigualdade.

     O nível a que chegou a corrupção no Brasil é espantoso. E este mal não provém da necessidade de atender as necessidades materiais, mas tem sua origem na própria maldade do coração humano: a ganância, o orgulho e a luxúria. Os corruptos são geralmente ricos, poderosos e gozam de meios fartos para o seu bem-estar. Querem, no entanto, mais dinheiro e mais poder.

     Antes de ouvirmos o engodo de que distribuir os bens materiais seria fechar prisões, deveríamos ouvir de nossos comunicadores cristãos que a ganância e o desejo de poder provêm do pecado original e encontram-se em todos os seres humanos, como herança que Adão nos deixou em sua queda.

     Dada a realidade brasileira que deveria abrir nossos olhos, deveríamos pregar mais denodadamente o que nos ensina o Catecismo da Igreja Católica:

     Todos os homens estão implicados no pecado de Adão. São Paulo o afirma: "Pela desobediência de um só homem, todos se tornaram pecadores" (Rm 5,19). "Como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo e, pelo pecado, a morte, assim a morte passou para todos os homens, porque todos pecaram...”(Rm 5,12). (CIC 402)

     O homem está dividido em si mesmo. Por esta razão, toda a vida humana, individual e coletiva, apresenta-se como uma luta dramática entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas” (CIC 1707).

     A Escritura, no relato do assassinato de Abel por seu irmão Caim, revela, desde o começo da história humana, a presença da cólera e da cobiça no homem, consequências do pecado original. O homem se tornou inimigo de seu semelhante (CIC 2258).

     O que nos é manifestado pela Revelação divina concorda com a própria experiência. Pois o homem, olhando para seu coração, descobre-se também inclinado ao mal e mergulhado em múltiplos males que não podem provir de seu Criador, que é bom. Recusando-se muitas vezes a reconhecer Deus como seu princípio, o homem destruiu a devida ordem em relação ao fim último e, ao mesmo tempo, toda a sua harmonia consigo mesmo, com os outros homens e com as coisas criadas (CIC 401).

     Esta situação dramática do mundo, que "inteiro está sob o poder do Maligno" (1Jo 5,19), faz da vida do homem um combate:

Uma luta árdua contra o poder das trevas perpassa a história universal da humanidade. Iniciada desde a origem do mundo, vai durar até o último dia, segundo as palavras do Senhor. Inserido nesta batalha, o homem deve lutar sempre para aderir ao bem; não consegue alcançar a unidade interior senão com grandes labutas e o auxílio da graça de Deus (CIC 409).

     A verdade é só uma: ainda que não houvesse diferenças sociais, poderia haver o crime em larga escala e os criminosos se concertariam para mais eficazmente levar a cabo seu maligno intento.

o silncio da igreja - iv

 

Em face da corrupão

 

A corrupção endêmica que infesta nossa sociedade proporciona uma lição que o mundo não quer ouvir e destaca uma verdade que não se quer mais pregar....

 

REVISTA OREMOS

gallery/a_angustia_td_vice8

Ilustração: A angústia, T D Vice